MENU
Captura de Tela 2014-05-18 às 12.33.40

Existe vida depois do agora?

Você já sentiu, alguma vez, a sensação de que existe um fio invisível a amarrar todos os retalhos da sua vida? Você já percebeu, mais com o coração do que com a sua cabeça, que tudo parece sempre ter uma razão de ser no mundo? Que tudo está interligado? Você já viveu um daqueles momentos em que parece ter subido em um banquinho apenas para conseguir enxergar, um pouco mais do alto, o enredo de sua própria existência? Em que tudo o que você viveu serviu, apenas e tão somente, para te conduzir até este ponto, este mesmo ponto, onde você está no aqui e agora?

Agora. O que é a vida além do agora? Além desta sequência de coisas que levam umas às outras e que nos conduzem a este instante exato que não existe em nenhum outro lugar a não ser no aqui, e em momento outro nenhum que não seja agora? Estes tais de aqui e agora tem me ocupado muito a mente, por mais que ela, a mente, pouco viva no aqui e agora. A mente, a minha e a sua, teima em vagar por aí, verdadeira máquina do tempo a nos conduzir e reconduzir aos recônditos da memória do ontem e das projeções do amanhã, sem nunca descansar. Sem que nunca descansemos. E a mente tem destas coisas: ela vai e volta, ela nos cansa de tanto tentar consertar os erros do passado no futuro, ou de tentar, lá na frente do amanhã e do depois, reproduzir todas as pequenas coisas que escolhemos perceber como os acertos do ontem e do antes disso.

A mente nos mente o tempo todo de que o agora não é importante, que o que importa é justamente o que já foi e o que ainda não chegou. “Olha bem, é logo ali depois daquela curva que a vida acontece!”, a mente nos grita. Quando você conseguir isso, ou aquilo. Quando você for assim, ou assado. Quando tal e tal coisa acontecerem, quando X, Y e Z acabarem, quando você for mais forte. Quando for mais amado. Quando for mais bonito, ou mais magro, ou mais velho, ou mais rico. Nunca hoje, nunca quem você já é, nunca onde já chegou, nunca no agora. Nunca o agora, sempre o depois.

Ou então o antes. Antes de você pegar a bifurcação errada naquela última encruzilhada e perder, para todo o sempre, a grande chance. A grande chance – do quê, mesmo? Da vida acontecer, de conseguir isso, ou aquilo; de ser assim, ou assado, mais forte e mais amado, mais bonito ou mais magro. A grande chance passou, e agora – ah, aí sim, o agora! – é hora correr atrás do prejuízo para que a grande chance volte do lugar para onde ela se foi, tão distante do aqui. Tão depois do agora. Nunca aqui – nunca agora. Onde, então? Quando?

Parafraseando Lennon, a vida é o que insiste em acontecer enquanto nos perdemos fazendo planos. É o que se revela enquanto montamos estratégias mirabolantes para chegar em lugares que não terão mais o menor sentido, cinco minutos depois de lá termos fincado nossa bandeira. A vida, a sua e a minha: quando é que ela acontece, se não no agora? Tudo o que aconteceu no passado aconteceu enquanto era agora – e tudo o que acontecer no futuro, não tem como acontecer em nenhum outro momento a não ser no agora. Será que existe vida, além do agora? Ou só morte do encantamento? Sim, porque eu te desafio a me falar de algo, qualquer coisa, que tenha acontecido em algum outro momento que não o agora.

Vida é agora. É inspiração no meio de tarde que leva ao desencadeamento de ideias que se conectam e se vinculam, transformando, para sempre, algo que existiu apenas em um agora que não existe mais. Vida é seguir o encantamento, é buscar sentir-se bem agora, e agora, e agora. É dizer sim para convites que nos levam a conhecer pessoas que mudam nossas vidas para sempre. Vida é obedecer os instintos, quando todos eles nos dizem: “vai!”.

Vida é coisa: uma coisa, que leva a outra, que leva a outra, que me traz até aqui – nesta exata hora. Até o meu aqui; até o nosso agora.

Espalhe consciência compartilhando com todos que estiverem na Vibe!

Vem com a gente!  Facebook Instagram + Pinterest + Twitter

 

Foto :  André Lui Bernardo

 

Email this to someoneShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on Facebook

Escrito por::

Publicado em: 18 de junho de 2017

Categorias: Todos

Exibições: 7637

, , , , , , , , ,

5 Responses to Existe vida depois do agora?

  1. O tempo, com já disseram, é apenas uma criaçao da consciencia maior, da qual nos originamos, e que permite uma ordenação sequenciacial, a causa e efeito (que na sua inexistencia nao teria valor ou existencia) e que com isto permite uma infinidade maior de experiencias e de consequente crescimento / desenvolvimento dos individuos, mais rapido ou mais devagar, de acordo com o estagio e possibilidade de a cada um.
    Menina, de onde voce tira suas perolas de sabedoria – vem tudo das filosofias orientais que estudou ou tambem tem intuiçao nisto ?

    Abraço e siga publicando!

    Mario JP Santos
    Engenheiro
    Sao Paulo

  2. edmilson gomes disse:

    Adorei, no fundo do coração a gente sabe, como diz aquela musica devia ter amado mais ,ter morrido de amor…….

  3. Geraldo Roque Gomes disse:

    Porque a vida é seguir o encantamento, muito bem me sinto agora e digo sim para o sublime convite que me fez saber da existência de tua filosofia linda e humana. Hoje tenho profunda gratidão por me tornares consciente de que a vida é só agora; por me ajudares a olhar o passado pelo retrovisor e conseguir dar uma mãozinha para que o futuro me traga melhores “agora”.
    Abraço! Muita luz e alegra em teu caminho!

  4. Jaime disse:

    Certamente que existe alguma forma de continuação. O que ocorre é que nós seres humanos precisamos antropomorfizar o intangível, o imaterial para ter uma pequena possibilidade de compreendê-lo, esquecendo que ao mesmo tempo em que damos forma humana à Criação, voltamos a pensar como humanos, e regressamos a incompreender a finitude. Para entender a continuação, precisamos deixar a mente humana, que no máximo é criadora de alguns aspectos das suas próprias vidas. Já se sabe que a vida prescinde do DNA para reproduzir, então em breve, novas questões serão levantadas.
    Não há fim por que não há nem nunca houve começo daquilo que sempre existiu. Soa poético, exatamente por que não cabe em nossas mentes.
    Saudações,
    Jaime

  5. Jaime disse:

    “…forma humana à Criação, voltamos a pensar como humanos, e regressamos a incompreender a finitude”, leia-se, ” …forma humana à Criação, voltamos a pensar como humanos, e regressamos a incompreender a infinitude.” Desculpa e obrigado mais uma vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *